Histórias antigas do folclore oriental que trazem consigo aprendizados simples, mas extremamente valiosos.

monk-meditation.jpg

A palavra Zen denota originalmente o nome japonês da tradição (e filosofia) religiosa ch’an, que surgiu na China por volta do século VII e também é associada ao budismo do ramo maaiana. A prática primordial seria o zazen (no literal, “meditar sentado”), um tipo de meditação contemplativa com fins de alcançar uma “experiência direta da realidade” pela observação da própria mente e da interrupção plena dos pensamentos.

 

Receba os artigos da Encruzilhada por email.

Esta cultura rompeu as fronteiras do extremo oriente e ganhou os ocidentais. Alimentando esta admiração vamos contar aqui algumas daquelas chamadas “histórias zen” que fazem parte do imaginário e folclore relacionado. São histórias envolvendo monges, imperadores e gente comum; um deleite em si mesmas:

River-Across.jpg

Obsessão

Dois monges viajantes chegaram a um rio onde encontraram uma jovem mulher. Com medo da corrente, ela perguntou se eles poderiam levá-la ao outro lado. Um dos monges hesitou, mas o outro rapidamente a pegou em seus ombros, transportou através da água, e colocou-a na outra margem. Ela agradeceu e partiu.

Continuando seu caminho, o monge que era taciturno e preocupado, incapaz de manter silêncio falou: “Irmão, a nossa formação espiritual nos ensina a evitar qualquer contato com as mulheres, mas você pegou aquela em seus ombros e a carregou!”

“Irmão”, o segundo monge respondeu: “Eu a coloquei no chão do outro lado, enquanto você ainda a está carregando.”

url.jpg

Sonhando

O grande mestre taoísta Chuang Tzu, uma vez sonhou que era uma borboleta tremulando aqui e ali. No sonho, ele não tinha consciência de sua individualidade como pessoa. Ele era apenas uma borboleta. De repente, ele acordou e descobriu-se deitado ali, uma pessoa novamente.

Mas então ele pensou consigo mesmo:

“Eu estava diante de um homem que sonhava em ser uma borboleta, ou sou agora uma borboleta que sonha em ser um homem?”

LWDAa.jpg

Ainda vivo

O Imperador perguntou ao Mestre Gudo:

“O que acontece com um homem de iluminação após a morte?”

“Como eu vou saber?” respondeu Gudo.

“Porque você é um mestre”, respondeu o Imperador.

“Sim, senhor”, disse Gudo “, mas não um morto.”

water-flow-c2a9-christopher-martin-1037.jpg

Indo com o fluxo

Uma história taoísta fala de um velho homem que acidentalmente caiu nas corredeiras de um rio que levava a uma cachoeira alta e perigosa. As pessoas que viram temiam por sua vida. Milagrosamente, ele saiu vivo e ileso na parte inferior das quedas. Pessoas perguntaram como ele conseguiu sobreviver e o velho respondeu:

“Eu me moldei à água, não a água à mim. Sem pensar, eu me permiti ser moldado por ela. Mergulhando no redemoinho, eu saí com o redemoinho. É assim que eu sobrevivi.”

Shi_DeRu_and_Shi_DeYang.jpg

Perseguindo dois coelhos

Um estudante de artes marciais aproximou-se de seu professor com uma pergunta.

“Eu gostaria de melhorar o meu conhecimento das artes marciais. Além de aprender a partir de você, eu gostaria de estudar com outro professor para aprender outro estilo. O que você acha dessa idéia?”

“O caçador que persegue dois coelhos”, respondeu o mestre, “pega nenhum dos dois.”

praying.jpg

Querendo Deus

Um eremita estava meditando junto a um rioquando um jovem o interrompeu: “Mestre, eu gostaria de tornar-me seu discípulo,” disse o homem. “Por quê?” , respondeu o eremita. O jovem pensou por um momento. “Porque eu quero encontrar Deus”.

O mestre deu um salto, agarrou-o pelo cangote, arrastou-o para dentro do rio, e mergulhou sua cabeça sob a água. Após segurá-lo ali por um minuto, com ele chutando e lutando para libertar-se, o mestre, finalmente, puxou-o para fora do rio. O jovem cuspiu água e engasgou para recuperar o fôlego.

Quando ele finalmente se acalmou, o mestre falou. “Diga-me, o que você queria, acima de tudo quando você estava debaixo d’água.”

“Ar!” respondeu o homem.

“Muito bem”, disse o mestre. “Vá para casa e volte para mim quando você quiser Deus tanto quanto você só queria o ar.”

 

Destino

Durante uma batalha importante, um general japonês decidiu atacar, mesmo seu exército estando em grande desvantagem numérica. Ele estava confiante de que iria ganhar, mas seus homens estavam cheios de dúvidas. No caminho para a batalha, eles pararam em um santuário religioso. Depois de orar com os homens, o general pegou uma moeda e disse:

“Vou agora jogar esta moeda. Se for caras, vamos ganhar. Se der coroa, vamos perder. O destino agora vai se revelar.”

Ele jogou a moeda para o alto e todos observavam atentamente quando aterrissou. Foi caras. Os soldados estavam tão felizes e cheios de confiança que atacaram vigorosamente o inimigo e foram vitoriosos. Após a batalha, um tenente comentou com o general:

“Ninguém pode mudar o destino.”

“Exatamente” respondeu o general enquanto mostrava ao tenente a moeda, que tinhaa caras de ambos os lados.

Sons do Silêncio

Quatro monges decidiram meditar em silêncio, sem falar por duas semanas. Ao cair da noite, no primeiro dia, a vela começou a piscar e, em seguida, apagou.

O primeiro monge disse: “Oh, não! A vela apagou.”

O segundo monge disse: “Não estamos nós sem conversar?”

O terceiro monge disse: “Por que vocês dois quebram o silêncio?”

O quarto monge riu e disse: “Ha! Eu sou o único que não falava.”

~ by dineyinsights on June 18, 2014.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: