Os discos de Dropa –

 

 
 

Há muitos mistérios do mundo, mas certamente um dos mais surpreendentes são os discos de Dropa, descobertos em uma expedição para as inacessíveis montanhas de Bayan Kara Ula, perto do Tibete.

 
 
 
 

Os registros contam a história de uma nave alienígena que caiu a cerca de 12.000 anos atrás, e mostra seus tripulantes, que tiveram contato com os seres humanos que viviam ali. Poderiam representar evidencias de seres extraterrestres?

 
 
 
 

Em 1938, o professor Chi Pu Tei comandou uma expedição arqueológica pelas geladas montanhas de Bayan-Kara-Ula, na fronteira entre a China e o Tibete. A expedição adentrou em algumas cavernas com aparências não naturais, com abundância de túneis escavados perfeitamente, notaram que as paredes foram bem cristalizadas, como se fosse usado extremo calor capaz de derreter a rocha. Em algumas paredes, encontraram pictogramas antigos representando o sol, a lua e várias estrelas ligadas por linhas, como se fosse um mapa estelar.

 
 
 
 

Explorando as cavernas, encontraram alguns seres enterrados muito arrumados com cuidados. Eles descobriram os restos esqueléticos que, à primeira vista, se assemelham mais á primatas do que com os humanos.

 
 
 
 
Corpos delgados e de ossos finos, de apenas 130 cm de altura e cabeças desproporcionalmente grandes. Embora esses achados estão descartados que sejam de primatas, acham que devem ser algum tipo de homens pré-históricos ainda desconhecidos.
 
 
 
 

Continuando a exploração, encontraram alguns discos estranhos com cerca de 30 cm de diâmetro, com um furo central de cerca de 2 cm. Perfeitamente geométricos, foram registados com um sulco em espiral a partir do centro para terminar no lado de fora.

 
 
 
 

Depois de algumas semanas de exploração, Chi Pu Tei retorna à Universidade de Pequim, com 716 discos. Lá ele descobre que os sulcos dos discos são na verdade, uma série de pequenas gravuras e hieróglifos  difíceis de ler . Os discos são datados a ter cerca de 12.000 anos.

 
 
 
 

Chi Pu Tei não conseguiu decifrar o estranho alfabeto ao longo do tempo, esses discos e outros objetos da expedição foram catalogados e esquecidos no armazenamento da Universidade de Pequim, até que, em 1962, Tsum Um Nui, outro arqueólogo da Universidade resgata e reinicia a pesquisa que iria levar com sucesso para decifrar os hieróglifos.

 
 

Os discos tinham uma história incrível, foram escritos por pessoas que se diziam “Dropa” , que tinham vindo de um planeta distante e que, por uma falha em seu veículo foram parar naquele lugar nas montanhas, onde a  tribo Ham, antiga que habitava aquele local, atacaram e mataram muitos deles até que eles conseguiram ocupar a área. 

 
 
 
 

Os Dropas não foram capazes de reparar a sua nave para voltar à sua casa e ficaram destinados aviver na Terra.

 
 
 
 

Para aumentar o mistério desta história, pode ser acrescentado que nas montanhas de Bayan-Kara-Ula, atualmente abriga duas tribos isoladas dos pastores nômades que se chamam de Dropa e Han e que muitos deles apresentam características distintas.

 
 
 
 

Há chineses e tibetanos adultos que raramente ultrapassam um metro e meio de altura, suas cabeças são grandes, desproporcionais ao seu corpo e possuem cabelos finos e, certamente, os mais marcantes são seus  olhos azuis.

 
 
 
 

Os registros foram colocados à disposição de um grupo de cientistas da Universidade de Pequim, mas nenhum conseguiu decifrar o seu conteúdo até que eles estavam sob a direção do professor Tsum Um Nui, em 1958. Os resultados finais das análises e testes, depois de 20 anos, surpreendeu por seu conteúdo incrível, sendo proibida sua publicação pelas autoridades. Não se sabe qual é o conteúdo do relatório.

 
 
 
 

Desde então, a incrível história dos discos Dropa permaneceu quase esquecida, apesar das pesquisas que mostrou suas origens muito antigas. As pedras de granito com que são compostos contêm altas concentrações de metais cobalto e outros pouco comum que a extrema dureza dos discos se quase impossível fazer uma gravação completa tão pequena e sem meios avançados, e testes mostraram que os discos apresentavam cargas elétricas, e que poderiam ter sido foram usados ​​como condutores elétricos.

 

~ by dineyinsights on March 6, 2014.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: